quarta-feira, 19 de setembro de 2012

- Hinos e canções do PEF e 6°BIS

Oii

Desculpa por ficar muito tempo sem postar é porque minha mãe viajou, e as coisas que posto no blog estão la, ok?
O assunto de hoje, como vocês ja sabem é  Hinos e canções do PEF e 6°BIS, entâo vamos lá
A primeira canção é :
1°: Leis da Guerra na Selva
    Tenha a iniciativa, pois não receberá ordens para todas as situações. Tenha em vista o objetivo final;
    Procure a surpresa por todos os modos;
    Mantenha seu corpo, armamento e equipamento em boas condições;
    Aprenda a suportar o desconforto e as fadigas sem queixar-se e seja moderado em suas necessidades;
    Pense e aja como caçador, não como caça; e
    Combata sempre com inteligência e seja o mais ardiloso.

2°: Canção do 6° Batalhão de Infantaria de Selva
Foi bom você ter vindo
Conviver com a natureza
Aqui estamos garantindo
Ao Brasil nossas riquezas
O verde da Nossa bandeira
São os campos e florestas
Dar proteção à fronteira
A nossa missão é esta
Refrão
Selva! Selva!
É o nosso grito de guerra
Selva! Selva!
Marcando os limites da nossa terra
Selva! Selva!
Bradamos com alegria
Selva! Selva!
Valentes soldados da Infantaria

3°: Canção da Infantaria

Nós somos estes infantes
Cujos peitos amantes
Nunca temem lutar;
Vivemos,
Morremos,
Para o Brasil nos consagrar!

Nós, peitos nunca vencidos,
De valor, desmedido,
No fragor da disputa,
Mostremos,
Que em nossa Pátria temos,
Valor imenso,
No intenso da luta.

Refrão

És a nobre Infantaria,
Das armas a rainha,
Por ti daria
A vida minha,
E a glória prometida,
Nos campos de batalha,
Está contigo,
Ante o inimigo,
Pelo fogo da metralha!

És a eterna majestade,
Das linhas combatentes,
És entidade,
Dos mais valentes.
Quando o toque da vitória
Marcar nossa alegria,
Eu cantarei!
Eu gritarei!
És a nobre Infantaria!

4° :Canção da 17ª Brigada de Infantaria de Selva
Obs: A canção é cantada duas vezes.

Continência ao infante valente
Do extremo oeste
Da pátria onde vive e enfrenta
A natureza agreste
Guardião das fronteiras de selva
De riquezas mil
Onde reside
O celeiro do Brasil
Sinto orgulho da Brigada
De Selva
Que diz:
Foi bom você ter vindo
Forjar-se nessa matriz
Sinto orgulho dessa farda
Que visto, feliz
Soldado pelo povo amado
A serviço do meu País

5° : Canção Nobre Infantaria

Nobre infantaria, arma de respeito,
Faz amedrontar
Quando, peito a peito o inimigo
Nos encontrar
A fama levando, vamos espalhando,
A nossa alegria
E, junto ao Brasil está o fuzil
Da infantaria.
Somos soldados,
Nobres infantes
Que nos mostramos alegres triunfantes
Com belo porte,
Que até a morte,
Não ousará nos destruir.
Sempre a sorrir,
Vamos marchando
Vamos lutando em pról deste pavilhão:
O nosso Brasil a quem dedicamos o coração!
Junto à nossa bandeira,
Lutaremos com valor
Daremos a vida inteira
Por ela temos amor!
Mas, se algum dia a guerra
Nos vier surpreender
Temos o fuzil!
Vamos combater
Para salvar a honra do Brasil!
HURRA!

6 ° : Canção Ardor do Infante

Onde vais tu, esbelto infante
Com teu fuzil lesto a marchar?
Cadência certa, o peito arfante,
Onde vais tu a pelejar?
Pra longe eu vou, a Pátria ordena
Sigo contente o meu tambor,
Cheio de ardor! Cheio de ardor!
Pois quando a Pátria nos acena,
Vive-se só da própria dor.
Refrão
É no combate que o infante é forte;
Vence o perigo, despreza a morte. (2x)
Fenecerá tua alegria,
Ante o pavor dos matagais;
Ao perpassar da ventania,
Quebrando os rijos vegetais.
Vê, meu irmão, soa a metralha,
Sibilam balas a cantar;
Hei de exultar! Hei de exultar!
Quem na Bandeira se agasalha,
Sente o prazer no seu penar.
Refrão
É no combate que o infante é forte;
Vence o perigo, despreza a morte. (2x)
Tu que aí vai, riso aos lábios,
Não reverás o céu natal:
Recebe os meus conselhos sábios,
Seja bravura o teu fanal.
Posso morrer, nada me aterra,
Mas hei de honrar o meu fuzil!
Glória ao Brasil! Glória ao Brasil!
Pois, se eu voltar à minha terra,
Serei imune de ação vil.
Refrão
É no combate que o infante é forte;
Vence o perigo, despreza a morte. (2x)

 7°: Canção do Soldado da Amazônia

Nossa origem se prende às glórias
Da bravura sem par das bandeiras,
Pois de Pedro Teixeira as vitórias
Demarcaram as nossas fronteiras
Estes feitos heróicos da história
E o povo ancestral denodado
Estão sempre presentes à memória
Nas ações de seu forte soldado
Refrâo
Vamos, companheiros avante
Com desassombro total
Para vermos, triunfantes
Na Pátria o nosso ideal
Valorosos vigias tenazes,
De presença altiva e valor
Sentinelas da selva audazes,
Ao Brasil dedicamos amor
Destemidos e bravos soldados
Esta terra juramos guardar
E cumprir os deveres sagrados
Da gloriosa missão militar
Refrâo
Vamos, companheiros avante
Com desassombro total
Para vermos, triunfantes
Na pátria o nosso ideal
Selva!

8°: Oração do Guerreiro da Selva
Senhor!
Tu que ordenaste ao Guerreiro da Selva
Sobrepujai todos os vossos oponentes
Dai-nos hoje da floresta:
A sobriedade para persistir;
A paciência para emboscar;
A perseverança para sobreviver;
A astúcia para dissimular;
A fé para resistir e vencer.
E dai-nos também,Senhor,
A esperança e a certeza do retorno
Mas se defendendo esta brasileira Amazônia
Tivermos que perecer,ó Deus
Que o façamos com dignidade
E mereçamos a vitória!
Selva!


Bjs, bjs e mais bjs
Nati

sábado, 8 de setembro de 2012

- Bichos da Selva #2


 Oii
Hoje vou falar do restante dos bichos da seelva, e mostrar fotos ;)

Rã-verde


Classificação científica

Reino:     Animalia
Filo: Chordata
Classe:     Amphibia
Ordem: Anura
Família: Ranidae
Género: Rana
Espécie: R. perezi
Nome binomial : Rana perzi
       A rã-verde  é uma espécie de rã pertencente à família Ranidae. Distribui-se pela Europa Ocidental, em especial Portugal, Espanha, França e Reino Unido.
Tem como habitat natural as florestas e matagais temperados, o matagal arbustivo mediterrânico, rios e ribeiros, cursos de água temporários, pântanos, lagos permanentes ou temporários de água doce, pauis permanentes e temporários, margens arenosas, terrenos de cultivo e áreas urbanas.
Em alguns locais encontra-se ameaçada devido à perda de habitat.
Esta espécie foi introduzida tanto nos Açores como na Madeira como animal ornamental em lagos de jardim de casas senhoriais, tendo posteriormente escapado e adaptado bem às condições locais. É muito comum nas massas de água doce da ilha da Madeira onde pode ser encontrada a altitudes desde o nível do mar até a pequenos charcos aos 1 600 m de altitude, passando pelos reservatórios de irrigação de culturas.


Cobra

 
 Fonte: http://www.habbid.com.br/forum/tudo-sobre-as-cobras-aki/185366/id/page/1

 Há quem acredite que rezas, benzimentos, remédios caseiros, certas plantas, pedras podem produzir a cura, nada disso resolve! Só existe um modo de tratar a pessoa picada por cobra venenosa, dar a ela o soro antiofídico. Quando o tratamento com soro feito corretamente, dentro do prazo adequado, produz sempre resultados favoráveis. Quando se dispõe de soro, aplicam-se imediatamente cinco ampolas de 100 cc (no caso de soro misto). A aplicação deve ser subcutânea, isto é, logo embaixo da pele e na parte da frente das coxas. Depois de aplicado o soro, deve-se transportar a vítima imediatamente, para um hospital, pois outras providências talvez sejam necessárias. Se o transporte para o hospital não for possível deve-se chamar um médico. A vítima deve permanecer imóvel, com o membro afetado em posição, mas elevada ao resto do corpo, tomando somente líquidos. Todo tipo de exercitação deve ser evitado. Se o soro aplicado for suficiente, a vítima apresentará melhor entre 3 e 6 horas após a injeção. Não havendo melhora, deve-se repetir a dose a cada 3 horas, até que haja resultado. No caso de picada de cascavel, as precauções devem ser maiores. É preciso observar a vítima pôr 3 semanas, pelo menos, pois ela pode voltar a apresentar sintomas. Nesse caso nova dose deve ser aplicado.

Rapidinhas.
*As cobras não têm ouvidos. Elas "sentem" os sons através das vibrações do solo.
*Você sabia que uma serpente pode matar um bode ou um porco com um aperto, em menos de um minuto.
*A cobra que come ovos consegue engolir um ovo de pássaros duas vezes maior que sua cabeça.
*As najas cuspidoras têm um péssimo hábito. Quando se sentem ameaçadas, lançam jatos de venenos nos olhos de seu agressor.
*Cada vez que a cascavel muda de pele cresce um novo anel no rabo. Os anéis são feitos do mesmo material de nossas unhas.
*Um especialista em cobras é chamado de Herpetologista.
*Algumas pessoas fazem as cobras dançarem ao som da música. Pelo menos é o que aparenta, mas a cobra nem ouve o que está tocando, ela imita o movimento ondulante do corpo do "hipnotizador" que toca a flauta.
*A cobra-coral-falsa é semelhante à coral, que tem listras das mesma cor, mas em ordem diferente. Dá para distinguir uma da outra porque, na venenosa, o vermelho está junto do amarelo; na falsa, o vermelho está junto do preto.
*O suco digestivo da maioria das cobras é tão forte que faz um osso virar mingau.
*As "cobras voadoras" não voam de verdade, elas deslizam no ar na forma de um S gigante.
*A jibóia consegue localizar uma bela refeição até mesmo em uma escuridão total. Ela tem buraquinhos na boca que "sentem" o calor do corpo do animal.
       Por que as cobras gostam de ficar ao sol?
Porque, sendo répteis, são animais pecilotérmicos ou heterotérmicos e, não possuindo o sistema termoregulador, procuram expor-se ao sol para se aquecerem um pouco.
Qual a cobra mais venenosa do Brasil?
Seria alguma espécie de Coral-verdadeira (Gênero Micrurus), o qual pertence a família dos Elapídeos (a mesma da Naja). O veneno das serpentes desta família geralmente apresenta baixo peso molecular, dissipando-se rapidamente pelo organismo quando injetado. São raros os acidentes ofídicos causados pelas corais, pois são cobras de tamanho relativamente pequeno e apresentam a boca pequena, além de serem de um certo modo "mansas" (Mas paciência tem limite, nunca manuseie uma coral). Uma espécie de Jararaca, a Jararaca-ilhôa (Bothrops insularis), que vive isolada na Ilha da Queimada Grande (36 Km do litoral de Santos - SP), apresenta o veneno muito mais potente do que o das jararacas do continente. Sendo também muito venenosa.


Morcego
 

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Classificação científica
Reino:Animalia
Filo: Chordata
Classe:     Mammalia
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Chiroptera
   Os morcegos, também chamados andirás, guandiras e orelhudos[1], são os únicos mamíferos capazes de voar, tendo seus membros anteriores (mãos e braços) transformados em asas, as quais são diferentes das asas das aves e das dos extintos pterossauros. Pertencem à ordem Chiroptera.
  Tradicionalmente, divide-se os quirópteros em morcegos propriamente ditos (subordem Microchiroptera) e raposas-voadoras (subordem Megachiroptera). Representam um quarto de toda as espécies de mamíferos do mundo. São pelo menos 1 116 espécies [2], que possuem uma enorme variedade de formas e tamanhos, podem ter uma envergadura de cinco centímetros a dois metros, uma enorme capacidade de adaptação a quase qualquer ambiente (só não ocorrem nos polos) e uma ampla diversidade de hábitos alimentares.
  Os morcegos têm a dieta mais variada entre os mamíferos, pois podem comer frutos, sementes, folhas, néctar, pólen, artrópodes, pequenos vertebrados, peixes e sangue[3]. Somente três espécies se alimentam exclusivamente de sangue: são os chamados morcegos hematófagos ou vampiros, encontrados apenas na América Latina. Dessa maneira, morcegos contribuem substancialmente para a estrutura e dinâmica dos ecossistemas [4], pois atuam como polinizadores, dispersores de sementes, predadores de insetos (incluindo pragas agrícolas), fornecedores de nutrientes em cavernas e vetores de doenças silvestres, dentre outras funções. Possuem ainda o extraordinário sentido da ecolocalização (biossonar ou orientação por ecos), que utilizam para orientação, busca de alimento e comunicação.


Jacaré
 

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Classificação científica

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe:     Reptilia
Ordem: Crocodylia
Família: Alligatoridae
Os jacarés, os aligatores e os caimões (ou caimães) são répteis da ordem Crocodylia, que é dividida em três famílias: Gavialidae, Alligatoridae, Crocodylidae.
Jacarés e aligatores pertencem à família Alligatoridae e são animais muito parecidos com os crocodilos, dos quais se distinguem pela cabeça mais curta e larga e pela presença de membranas interdigitais nos polegares das patas traseiras. Com relação à dentição, o quarto dente canino da mandíbula inferior encaixa num furo da mandíbula superior, enquanto que nos crocodilos sobressai para fora, quando têm a boca fechada.[1] O tamanho de um jacaré pode variar de sessenta centímetros (jacaré-anão) até 6,5 metros (jacaré-açu), podendo pesar de três a quinhentos quilos.
Os jacarés habitam as Américas, tendo desaparecido da Europa no Plioceno.[carece de fontes] Na América do Norte, ocorre, predominantemente, o gênero Alligator. O gênero Croco
ylus, da subfamília Crocodylinae, família Crocodylidae, como o Crocodylus acutus, é encontrado ao sul do estado norte-americano da Flórida

 Gato do Mato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Classificação científica
Reino:     Animalia
Filo: Chordata
Classe:     Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Felidae
Género: Leopardus
Espécie: L. tigrinus

O gato-do-mato ou gato-do-mato-pequeno (Leopardus tigrinus) é um felino originário da América Central e América do Sul. É também conhecido pelos nomes de gato-do-mato-pintado, gato-selvagem e gato-tigre
A espécie habita locais como a Costa Rica, a Argentina, alimentando-se de ratos, pássaros e insetos. O gato-do-mato medem cerca de 50 centímetros.
Sua gestação dura 70 dias, a prole consistindo de um a dois filhotes.
Embora semelhante à jaguatirica, com a qual é confundido, o gato-do-mato se distingue pelo pequeno tamanho; é o menor dos felinos silvestres brasileiros, e pelas manchas em sua pelagem, rosetas parecidas com as da onça, porém sem o desenho completo, mantendo geralmente um lado aberto -algo que realmente faz o gato-do-mato se diferenciar da onça,por exemplo- enquanto a jaguatirica tem manchas alongadas, que dão à sua pele a impressão de possuir listras.
Existem ocorrências de gatos-do-mato inteiramente negros, melânicos, ou seja, há várias variações de coloração, e algo curioso é que uma gata de pelagem normal, pintada por exemplo, pode ter filhotes negros, ou até de outras cores, que por sua vez tem descendência de pelagem normal, num processo que os cientistas ainda não entendem muito bem sobre, mas também acontece com outros felinos como a onça-pintada e a pantera, que também podem nascer negras (pantera-negra).


Tatu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe:     Mammalia
Infraclasse: Eutheria
Superordem: Xenarthra
Ordem: Cingulata
Família: Dasypodidae


O tatu é um mamífero pertencente à ordem Cingulata e à família Dasypodidae. Caracteriza-se pela armadura que cobre o corpo. Nativos do continente americano, os tatus habitam as savanas, cerrados, matas ciliares e florestas molhadas, são muitos bonitos e fazem uma importância para a medicina. Têm importância para a medicina, uma vez que são os únicos animais, para além do homem, capazes de contrair lepra, sendo usados nos estudos dessa enfermidade.


Sapo


CLASSIFICAÇÃO CIENTÍFICA:


Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Amphibia
Ordem: Anura
Família: Bufonidae

INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

O sapo é um animal anfíbio (animais vertebrados que possuem uma fase de vida terrestre e outra aquática)
Existem quase 5 mil espécies de sapos na natureza
A maior parte das espécies vive próximas aos rios e lagos, pois a fêmea (rã) necessida de água para por os ovos. Os girinos (filhotes) também necessitam da água para sobreviverem
Algumas espécies possuem glândulas na cabeça, onde produzem um veneno tóxico para espantar ou até mesmo matar outros animais que ofereçam algum tipo de perigo
Apesar de possuir poucos predadores na natureza, os principais são as cobras e aves de grande porte
A principal fonte de alimento dos sapos são os insetos. Capturam os insetos utilizando suas grandes línguas
A pele do sapo é mais rugosa e seca do que a da rã (fêmea)
Espécies mais conhecidas no Brasil: sapo-cururu e sapo-boi

CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS:

Peso: 400 gramas (macho) e 1,5 kilos (fêmea)
Comprimento: macho (12 cm aproximadamente) e fêmea (25 cm aproximadamente)
Reprodução: a fêmea põe 30 mil ovos por ano, aproximadamente. 



Tamandua

Classificação científicaReino:     AnimaliaFilo:     ChordataClasse:     MammaliaInfraclasse:     PlacentaliaSuperordem:     XenarthraOrdem:     PilosaSubordem:     VermilinguaFamília:     Myrmecophagidae
Os tamanduás, também chamados papa-formigas[1], são membros da ordem Pilosa que vivem nas florestas e savanas das Américas Central e do Sul, desde o Belize até a Argentina.
Alimentam-se de formigas e principalmente de cupins (térmitas), que retiram dos cupinzeiros com a sua longa língua – chega a ter 50 cm de comprimento – alojada dentro de um focinho também afunilado. Para desfazer os cupinzeiros, os tamanduás têm garras fortes e curvas nas patas dianteiras, que lhes dificultam o andar.
O peso do tamanduá-bandeira adulto pode atingir quarenta quilogramas e seu comprimento, 1,80 metros, incluindo a cauda, que pode chegar à metade desse tamanho. Este tipo de tamanduá, o Myrmecophaga tridactyla, se encontra em perigo de extinção. Suas fêmeas têm um único filhote por ano, muito pequeno e frágil, que é carregado nas costas da mãe até cerca de um ano de idade, tornando-se, assim, muito vulneráveis aos predadores. Outro grande problema que pode afectá-los é a destruição do seu habitat.
É quase cego e surdo, mas, por outro lado, tem excelente olfato. Ele pode sentir o cheiro de uma presa ou de um predador a dezenas de metros de distâncias.


Porco Espinho

Os espinhos são pêlos duros modificados, alcançam até 10 cm e estão presentes na cabeça, pernas e parte anterior da cauda.
Classe: Mammalia
Ordem: Rodentia
Família: Erethizontidae
Nome científico: Coendou prehensilis
Nome vulgar: Porco-espinho
Categoria: Ameaçado
Características físicas: as partes superiores são cobertas com fortes espinhos farpados de coloração branca ou amarelo pálido na base e na ponta, e preto ou marrom escuro no centro. Estes "espinhos", que na verdade são pêlos duros modificados (vibrissas), alcançam até 10 cm e estão presentes na cabeça, pernas e parte anterior da cauda. A região ventral é mais clara que a dorsal e é coberta por espinhos pequenos e macios. Sua cauda longa e preênsil tem entre 30 a 57 cm, com a parte anterior espinhosa e a posterior nua. Esse animal tem em média 54 cm de comprimento e pesa cerca de 4 kg.
Alimentação: come sementes de frutos, cocos, cascas de árvores e provavelmente folhas. Pode, eventualmente, invadir roças e pomares.
Biologia e comportamento social: solitário, sai à noite ou na hora do crepúsculo em busca de alimento. De dia descansa no alto das copas das árvores ou abriga-se em troncos ocos. Tem movimentos lentos, mas está bem adaptado para a vida nas árvores, usando a cauda para prender-se aos galhos e mover-se entre as árvores.
Reprodução: após uma gestação que dura de 195 a 210 dias, nascem um ou dois filhotes com cerca de 390g. Ele é alimentado diariamente pelos pais por cerca de 70 dias.
Predadores: jaguatirica e outros felinos.
Longevidade: média de 10 anos.
Habitat: em todo o país.

                                                                   Bjs, bjs e mais bjs

                                                                          Natii :>